Atenção!

Contêm cenas fortes de violência. Recomendado para maiores de 18 anos.

Reality Z é uma série brasileira de apocalipse zumbi lançada em 2020 pela plataforma Netflix e dirigido por Cláudio Torres foi inspirado na série britânica Dead Set.

Na cidade do Rio de Janeiro um reality show conhecido com uma temática da Grécia Antiga é assistido nacionalmente pela maioria os brasileiros. Os participantes são confinados em um ambiente controlado pela produção do programa e não possuem acesso à informação mundo à fora.

Enquanto em uma noite de eliminação de um dos participantes é realizada com um público aglomerado, a cidade do Rio sofre alguns ataques estranhos junto com manifestações violentas. Em meio à isso, o diretor do programa, Brandão (Guilherme Weber), luta para manter seu programa ao vivo contra o bloqueio dos telejornais com as notícias urgentes dos ataques na cidade.

A surpresa vem à tona quando um intruso penetra no meio do show de eliminação e começa a atacar os espectadores surgindo, então, o caos. Assim que o inferno se instala no estúdio, os sobreviventes tentarão se manter vivo o máximo possível. E farão de tudo para que isso ocorra.

Sendo uma das poucas sobreviventes no estúdio, Nina (Ana Hartmann) está presa em uma sala cercada por zumbis à fora, e como funcionária daquele estúdio, ela sabia que o único lugar seguro era a casa em que os participantes estavam confinados. Para isto, ela precisará enfrentar uma horda de mortos assassinos.

Do outro lado da cidade, o deputado Levi (Emílio de Mello) fará qualquer coisa para se manter vivo, nem que tenha que praticar a velha politicagem corrupta na qual já estava acostumado. Já na zona residencial do Rio, a antiga funcionária que projetou o estúdio, Ana Schmidt (Carla Ribas) junto com seu filho Léo (Ravel Andrade) se veem cerceados pelo início do fim dos tempos. E a única solução para manterem-se vivos em um ambiente seguro é na casa dos participantes do reality show.


A primeira coisa que esta série pode chamar a atenção é por ser uma produção brasileira com uma temática apocalíptica. É escasso uma produção nacional com esta temática, ainda mais sobre zumbis. Não sendo minha zona de conforto, me permiti aventurar em um Brasil beirando ao apocalipse e digo que a experiência foi muito interessante.

A premissa da história não parece ser muito interessante, à primeira vista. Sabemos que a temática de apocalipse zumbi é sempre resumida em clichês como sobrevivência, busca por medicamentos, aquele suspense ao abrir a porta e descobrir um cômodo novo, a desinformação das pessoas com este surto e o que fazer para se manter o máximo de tempo vivo. Esta série não foge desses esteriótipos de quaisquer série ou filme com o mesmo tema. Para quem gosta de ver um zumbi sedento, é um mar de rosas poder contemplar isso na Cidade Maravilhosa.

A Netflix vem cooperando bastante com as produções brasileiras, ajudando o Brasil a criar séries que, acredito eu, jamais seriam feitas por terem baixo orçamento. Séries como 3% vem alcançando um público considerável e além disso, ultrapassando os limites da produção cinematográfica brasileira que sempre se instalou nas comédias românticas, ação policial ou até drama. Porém, foram os poucos produtores que se aventuraram em temáticas que demandem um orçamento modesto com uma equipe de edição gráfica capacitada. O resultado dessa aposta foi uma série brasileira de apocalipse zumbi com satisfatórios efeitos visuais.

Confira outras produções nacionais que abordam o tema

Apesar de ganhar por este lado visual, a atuação não é uma das melhores. Há uma diferença gritante entre muitos personagens, alguns se destacando melhor que outros. Apesar disso, é um vale de experiência nova já que algumas cenas possuem um estilo diferente de filmagem única que deixa uma marca à brasileira na produção. Isso somando com as musicas nacionais em um tom satírico enquanto sangue é espirrado para todos os cantos. A produção conta com uma participação especial de Sabrina Sato.

Humor e romance são colocados, mas de forma bem pouca e pontual, não deixando o clima ser estragado do suspense vivido pelos personagens. Mas nada se compara com a trama construída que, apesar de carregar seus clichês de apocalipse, possui um desenvolvimento que pouco havia visto nas séries.

Se quem for ver os primeiros episódios e achar que deve saber como a temporada se acaba, provavelmente você estará muito enganado. O que acontece na transição de um episódio ao outro é uma carnificina que nunca vi em uma produção brasileira. Isso de fato me deixou surpreso.

Mais além dos elementos diferentes que esta série pode trazer, há uma crítica bem clara referente aos costumes brasileiros que são revelados aos poucos e depois diretamente no final desta temporada. Somos uma sociedade desigual e que promove a desigualdade nem que isto custe vidas. Brasileiros são interesseiros no seu particular dentro do seu casulo. Somos injustos um com os outros e chegamos a ser até desumanos. Não sabemos cooperar quanto mais nos unir. Imagina então em um ambiente de anarquia generalizada. Essa série não só mostra esses pontos relevantes como também nos deixa uma mensagem: ou nós mudamos ou afundaremos com nossos defeitos.

É uma série que retrata a realidade da atual cultura do Brasil. Em um Brasil dividido politicamente, corrupto e desunido, não se espera que coisas aconteçam como as que aconteceram durante os episódios da série. E por ser um lançamento deste ano de 2020 consegue ser extremamente fiel ao que acontece nos dias de hoje.

A Netflix junto com nossos diretores quebraram os limites de nossa indústria cinematográfica e espero que continue assim para trazer produções maiores e ainda melhores. Mesmo com alguns defeitos notáveis e melhoras necessárias, não se igualando à nada a séries famosas como The Walking Dead, Reality Z é uma série que vale a pena ver por justamente trazer um novo cenário para nossas telas: a de que existe zumbis vagando não só nos Estados Unidos ou na Europa, mas sim nas nossas grandes cidades brasileiras. A 2ª temporada se houver, prometerá grande continuação.

REALITY Z (1ª TEMPORADA)

Diretor: Cláudio Torres

Elenco: Ana Hartmann, Ravel Andrade, Emílio de Mello, Guilherme Weber, & mais.

Ano de lançamento: 2020

Enquanto o Brasil assiste a um reality show, um ataque zumbi começa no Rio de Janeiro. Os participantes deste reality se abrigam num estúdio de TV, mas tudo indica que essa não parece ter sido uma boa escolha. Reality Z, minha nova série nacional, estreia dia 10 de junho.

Relacionados

Destaques

Insta
gram

Parceiros