Fortnite é um jogo online, multijogador, com as mecânicas de Battle Royale, desenvolvido pela Epic Games, lançado em 2011.

Se você é novo no mundo dos jogos, ou ainda não entende muito bem o conceito de Battle Royale, pode estar lendo a resenha do coleguinha Pedro Lisboa do livro Battle Royale, de Koushun Takami. Ou também, podemos utilizar Jogos Vorazes como exemplo aqui. Basicamente, pessoas são lançadas em uma arena (no caso do jogo, uma ilha) e devem batalhar até apenas uma restar e, dessa forma, ganhar a partida.

Claro, no jogo isso é muito menos violento, e ninguém morre de verdade, além de não ter sangue em Fortnite, então temos um ponto positivo ai.

Logo que o jogador aterriza na ilha, ele possui apenas uma picareta, que serve para coletar coisas como madeira, pedra e aço de forma muito simples: destruindo o cenário do jogo. Com esses itens, o jogador pode construir rampas, paredes, e uma infinidade de coisas para se proteger durante conflitos.

Além de coletar itens para construção, o jogador deve encontrar baús que irão conter armas das mais diversas, kits médicos para se curar durante a partida, e poções de escudo que permitem resistir dano por mais tempo. Também estão espalhadas pelo mapa caixas de munição para as ditas armas e, de tempos em tempos, caem caixas de coleta de suprimentos do céu em pontos aleatórios da ilha, para quem quiser se aventurar, poder ir até elas e, possivelmente, aprimorar seu loot.

Fortnite conta com várias formas de jogo. Você pode jogar no modo solo, em duplas, em esquadrões, missões em time, e o modo tumulto (que consiste em dois times se enfrentando e quem chegar a um número X de mortes primeiro, ganha).

Eu comecei a jogar tem menos de um mês e já estou completamente apaixonada com tudo que envolve o jogo.

Eu já conhecia jogos similares a Fortnite, como Counter-Strike (CS), Playerunknown’s Battlegrounds (PUBG), e Battlefield. Apesar de nunca ter jogado nenhum deles, eu não me sentia muito interessada nessas mecânicas. Mas então meu amigo me pediu para dar uma chance para Fortnite e jogar com ele um pouco. É… viciei.

Além do jogo em si, existe uma história por trás, que afeta ativamente o destino da ilha onde acontecem as lutas. É uma história complexa demais para eu conseguir explicar tudo de forma escrita em apenas uma resenha, então vou deixar aqui embaixo a parte 1 de 3 dos vídeos que explicam bem explicadinho a história de Fortnite.

O jogo é completamente gratuito para todas as plataformas, incluindo IOS e Android. Não existe necessidade nenhuma de gastar dinheiro para ganhar partidas, e evoluir no jogo. Mas existe o Passe de Batalha. Ele não muda nada a sua performance no jogo, só te dá coisas legais, como estilos diferentes de picaretas, personagens diferentes para jogar… tudo. Não muda em nada no jogo em si, mas pessoalmente, me fez ter mais vontade de jogar.

Um Passe de Batalha custa 950 V-Bucks (que é o dinheiro digital do jogo). 1000 V-Bucks custam R$ 31,00. A partir do momento em que você compra o Passe de Batalha, a cada nível que você conquista, até chegar no nível 100, você vai ganhando coisas como as quais eu mencionei antes. Mas também, alguns níveis dão o valor fixo de 100 V-Bucks. Ou seja, você acaba comprando o Passe de Batalha apenas uma vez, se de fato conseguir chegar ao nível necessário para adquirir os V-Bucks para o próximo Passe.

Particularmente, eu acho que dá uma motivação a mais para jogar, porque acaba que você tem uma recompensa por evoluir. Não achei o valor caro, e levando em consideração que não precisa pagar com dinheiro de verdade por todos os Passes, então penso que vale a pena.

Pode parecer muito evoluir para o nível 100, mas na verdade é bem fácil. Um Passe dura por uma Temporada inteira, e uma Temporada dura mais ou menos uns três meses. Além disso, tem as missões que, ao serem completadas, dão os XP (pontos de experiência) necessários para subir de nível. Para poder comparar um pouco, eu e meu namorado assinamos o Passe da Temporada atual faltando um mês para o fim, e já passamos do nível 100. Tudo bem que a gente joga todo dia, o dia inteiro por conta da quarentena… mas com três meses seria bem mais tranquilo de ir fazendo as missões e subindo de nível.

Digo tudo isso porque, de verdade, sinto que a satisfação de completar um desafio e receber uma recompensa fez com que o jogo se tornasse mais dinâmico e interessante para mim. Se fosse somente pelo Battle Royale em si, eu teria enjoado bem rápido.

Mas, se você tiver a paciência que eu não tive de jogar de forma totalmente grátis por um ano e meio, você consegue juntar alguns dos prêmios grátis dos Passes de Batalha que incluem V-Bucks e depois desse tempo, passar a comprar os Passes sem gastar nada da sua carteira.

Fora tudo isso também, o jogo conta com eventos. O que me fez começar a ter interesse, foi o show que o Travis Scott fez dentro do mundo do jogo. Além disso, todo final de temporada conta com um evento ao vivo para todos os jogadores que irá atualizar o andamento da história de Fortnite.

Outra coisa com um enorme fator positivo desse jogo é a inclusão. Pessoas daltônicas e pessoas surdas podem ativar configurações específicas que façam com que o jogo seja acessível para elas também.

Enfim, de verdade, penso que Fortnite é um jogo muito divertido, com momentos divertidos, e uma forma muito bacana de “sair” com os amigos sem de fato pisar fora de casa. Vocês já jogaram Fortnite ou algum jogo parecido? Estão jogando alguma coisa no momento?

Relacionados

Destaques

Insta
gram

Parceiros