Tanya The Evil é um mangá seinen escrito por Carlo Zen com ilustração de Chika Tojo e o design de personagens é de Shinobu Shinotsuki sendo publicado aqui no Brasil pela editora Panini.

Sobre o Mangá

O mangá conta a história de um homem sem nome que é empurrado na frente de um trem por um subordinado de trabalho que fora demitido por ele. Logo após morrer o homem tem um encontro para lá de inusitado com uma entidade que se declara Deus.

Sendo um ateu descrente em qualquer tipo de divindade e achando religião algo totalmente banal, ele zomba do “deus” e continua cético em todas as alegações dadas pela entidade, assim resolve apelida-lo de “indivíduo-x“. Devido a sua falta de crença e por várias acusações, a entidade da sua sentença, a qual é reencarnar o homem em um mundo onde não há tecnologia e a magia reina, onde há uma caótica guerra que está no seu ápice.

“Não importa o quanto nos modernizamos, não importa como as normas sociais nos afetam, os seres humanos são criaturas tolas.”

Renascendo ainda com sua memórias da vida passada como Tanya Degurechaff, uma menina órfã em um reino chamado de Império, ela se junta ao Mage Corps para lutar na guerra e alcançar um posto alto para permanecer longe do campo de batalha, pois segundo o indivíduo-x, se ela morrer de morte natural e se recusar a ter fé nele, sua alma não reencarnará mais e será mandado para o inferno por seus pecados passados. Mas os planos de Tanya são frustrados quando ela é condecorada para ser a segunda comandante de um esquadrão da linha de frente.


Minha Opinião

Se fosse definir em uma palavra o que senti durante a leitura desse mangá seria “confusão”. Minhas expectativas para com a história estavam muito altas, pois já havia visto algumas cenas no YouTube da adaptação para anime, cenas essas que me instigaram a querer ler o mangá, porém, fui com muita sede ao pote e no fim a água não era tão boa.

Eu não sabia nada da história central, então fui um pouco no escuro, e logo de início achei interessante essa premissa, não é algo inovador pois existe trilhões de animes e mangás com a mesma pegada. Apesar de ter curtido o enredo principal a leitura logo no início já foi lenta, cansativa, algo que não é de costume acontecer quando estou lendo mangás. Entretanto, minha principal decepção é quando o homem reencarna no novo mundo, a partir desse ponto a história ficou extremamente confusa e ainda mais devagar, não se sabe bem ao certo nada do que está acontecendo na guerra, até mesmo em algumas páginas os desenhos eram poluídos, tinha um excesso de coisas que me deixavam perdido mais do que já estava me sentindo.

Outro ponto que achei pouco desenvolvido foi a questão “Deus, Guerra, Fé”, achei que teria uma discussão envolvendo isso e poderia ter sido extraído um bom bate papo, mas foi tão superficial nesse volume que não cria tanta expectativa para prosseguir com a leitura. Porém, o bacana envolvendo essa parte mais divina é que vemos mais deuses como Buda além de outros que não nos é revelado a identidade e que estão todos em um complô contra Tanya, a incrédula.

Deixando de lado as mil coisas que achei ruins, venho apontar seus pontos positivos, e o primeiro deles é o personagem principal. Tanya tem uma personalidade bem maléfica, que foge dos personagens bonzinhos, ela é sarcástica, ruim, boa, teimosa, autoritária e mais um bocado de adjetivos e isso deixa sua presença mais real que outros dentro da obra. O design dela tem uma boa parcela no carisma, pois é fenomenal, muito bem feito e bonito.

“Vitória. Uma coisa tão tentadora. É claro que todo mundo quer apreciar seu sabor.”

O mangá também traz muitas referências à acontecimentos científicos e históricos do nosso mundo por meios dos pensamentos de Tanya e isso é algo que me agradou muito. Alguns acontecimentos eu até desconhecia e depois da leitura isso foi agregado, o que reforça que toda leitura tem algo para agregar ao leitor, mesmo sendo uma que não curtimos tanto. A edição sem dúvida é linda, as folhas são confortáveis e ainda de brinde ganhamos um cartão postal do mangá, confesso que estava esperando um marca páginas, porém gostei bastante do cartão.

Mesmo não sendo um mangá que me satisfez como leitor, não quero dizer que ele é uma porcaria para todo mundo, porque gosto é algo bem particular e cada pessoa tem o seu próprio. Então a indicação vai para quem curte histórias com essa premissa como Knight’s & Magic e amantes de histórias de guerra podem acabar gostando também.

TANYA THE EVIL

Autor: Carlo Zen,Chika Tojo

Editora: Panini

Ano de publicação: 2019

Na guerra, uma jovem de cabelos loiros, olhos azuis e pele branca, quase transparente, luta na linha de frente. Ao mesmo tempo em que comanda o exército, ataca impiedosamente seus inimigos pairando pelo ar. Ela costumava ser um assalariado em um escritório de elite do Japão mas renasceu como uma garotinha por causa de um deus colérico. Seu nome é Tanya Degurechov e, priorizando a otimização e o avanço acima de tudo, ela se tornará a entidade mais perigosa dentre os feiticeiros do Exército Imperial.

Relacionados

Destaques

Insta
gram

Parceiros