A Parte Que Falta – Shel Silverstein

A Parte Que Falta é um livro infantil escrito por Shel Silverstein e trazido ao Brasil em 2018 pelo Companhia das Letrinhas.

Sobre o livro

O protagonista desta história é um ser que possui o corpo em forma de círculo, mas que encontra-se infeliz por faltar-lhe uma parte e portanto, ser incompleto. Ele acredita que em algum lugar existe uma parte que seja sua, que se encaixe perfeitamente a seu corpo, sendo capaz de torná-lo completo. E é através desta jornada que vamos acompanhá-lo em busca da parte que falta.

“Oh, busco a parte que falta em mim, a parte que falta em mim. Ai-ai-iô, assim eu vou, em busca da parte que falta em mim.”

Ao longo do caminho ele encontrará diversas partes sozinhas, seres inteiros e pequenas alegrias, assim como a contínua sensação de que algo lhe falta e, é por este mesmo caminho que ele acabará descobrindo que, talvez, a verdadeira felicidade e completude não esteja em outro, mas sim em nós mesmos, completos ou não.


MINHA OPINIÃO

A cada leitura que faço deste gênero me pergunto como podemos trazer de volta as crianças que um dia fomos. E, apesar de ser um livro para o público infantil, “A Parte Que Falta” consegue trazer algumas reflexões para aqueles que já se encontram na fase adulta, como por exemplo: será que precisamos que algo ou alguém faça parte de nós para sermos felizes, ou apenas desenvolvemos um desejo irracional quanto a isto?  O que afinal é a completude? Além de reflexões sobre relacionamentos.

Durante a jornada do protagonista, ele se depara com pequenas alegrias que acabam fazendo com que ele perceba que para sermos felizes precisamos apenas nos permitir o ser. O toque de uma borboleta, um pingo de chuva, uma caminhada vagarosa sobre lugares desconhecidos e conhecidos podem revelar um singelo prazer.

“”Não sou parte de ninguém. Sou parte completa.”

Em contra partida, quanto aos relacionamentos, podem ser “visualmente” atraentes e nos dar a sensação de que encontramos a nossa metade, a tampa da panela, uma pessoa que tem todas as qualidades que não possuímos e que, portanto, é nosso encaixe perfeito. No entanto, é preciso que saibamos enxergar além dos pontos positivos, aquilo que podemos não ser mais capazes de fazer estando junto de outro.

Cabe acho, inserir aqui, uma pequena curiosidade sobre esse livro. Ele já havia sido lançado anteriormente pela Cosac Naify e, após o encerramento da editora, passou a integrar o catálogo da Companhia das Letras com seu lançamento em 2018. Um pouco antes, a youtuber Jout Jout fez um vídeo fazendo a leitura e gerando uma série de questionamento a partir dela, o que instigou de forma massante muitos leitores em direção à obra.

Muitas reflexões podem ser tiradas de pequenos trechos, por mais simples que sejam e, algumas delas, podem acabar tendo um grande impacto em cada leitor. O maior de todos os ensinamentos desta obra está na percepção de que a felicidade é algo interior, algo que estamos sempre buscando mas que por vezes nos esquecemos de procurar dentro de nós mesmos. A cada canto, a cada jornada iremos nos deparar com partes, vazias, cheias, quebradas ou inteiras, mas nenhuma delas nos falta “realmente”.

É preciso caminhar, encontrar companhias e situações que nos acompanhem sendo cada um a sua própria parte, inteira.

5estrelasb

A PARTE QUE FALTA

Autor: Shel Silverstein

Editora: Companhia das letras

Ano de publicação: 2018

Neste clássico da literatura infantil relançado pela Companhia das Letrinhas, acompanhamos a busca por completude e refletimos sobre relacionamentos com a poesia singela de Shel Silverstein.
O protagonista desta história é um ser circular que visivelmente não está completo: falta-lhe uma parte. E ele acredita que existe pelo mundo uma forma que vai completá-lo perfeitamente e que, quando estiver completo, vai se sentir feliz de vez. Então ele parte animado em uma jornada em busca de sua parte que falta. Mas, ao explorar o mundo, talvez perceba que a verdadeira felicidade não está no outro, mas dentro de nós mesmos.
Neste livro, leitores de todas as idades vão se deparar com questionamentos sobre o que é o amor e quanto dependemos de um relacionamento ou parceira para nos sentirmos plenamente felizes.

É resenhista do Resenhando Sonhos.
Estudante de Direito, 20 anos, mineira, mora em Belo Horizonte e ama o universo literário.