Édipo em Colono é uma peça teatral do dramaturgo Sófocles e encerra a “Trilogia Tebana“, encenada em 401 a.C e publicada pela Editora Zahar em 1990. A obra foi traduzida direto do Grego por Mário da Gama Kury que também escreveu a introdução e as notas.

Sobre o livro

Édipo é expulso de Tebas e passa a vagar sem destino. Sua filha Antígona o ajuda guiando o pai cego e provendo o máximo de conforto que pode em uma situação de extrema penúria. Já sua outra filha Ismene traz informações sobre a situação de Tebas e dos oráculos.

Quem não se satisfaz com um quinhão normal de vida e deseja um maior, parece-me em verdade um insensato. Dias sem número nunca reservam a ninguém nada mais que dissabores mais próximos da dor que da alegria.

Posição 3840

Finalmente os deuses se compadecem do sofrimento de Édipo e o informam do que será necessário fazer para que possa repousar, mas antes disso Édipo enfrentará nova perseguição de Creonte que tentará sequestrá-lo e roubar suas preciosas filhas.


Minha opinião

Eu sou apaixonada pela “Trilogia” Tebana composta pelas peças: Édipo Rei, Édipo em Colono e Antígona. O tragediógrafo Sófocles tem um lugar cativo no meu coração. Já não lembro quantas vezes li essas peças e, em todas as vezes, fico totalmente rendida. Feita minha confissão, já pode imaginar que vou puxar sardinha para essa obra maravilhosa.

Édipo em Colono ocorre depois de Édipo Rei, quando este foi expulso de Tebas e perambula sem descanso como ordenado pelos deuses, em castigo pelos atos do antigo tirano.

Os filhos homens de Édipo não se importam com o pai, estão em busca de poder e lutam um contra o outro pelo trono de Tebas. Antígona e Ismene, filhas de Édipo, ajudam o pai da maneira que podem. A primeira cuidando das necessidades do pai e a outra informando-o de tudo que lhe possa ser útil.

Édipo foi amaldiçoado a perambular sem descanso, porém os deuses resolvem por fim ao seu sofrimento. Para não correr o risco de ter os restos mortais profanados, os deuses abençoarão o lugar que Édipo escolher para ser seu último repouso. Isso desperta o interesse de Creonte e dos filhos de Édipo.

É tua a culpa se vivo nessa miséria, pois me expulsaste, e se levo uma vida errante de mendigo pedindo o pão de cada dia, tu és a causa. E se eu não tivesse gerado estas meninas a quem devo o meu sustento, e dependesse só de ti para viver, já estaria morto.

Posição 3974

Nesse intervalo, Édipo terá outro embate com Creonte e precisará pedir ao rei de Tebas proteção para que não seja forçado a servir aos interesses do cunhado. Creonte fará o possível para usar Édipo em benefício de Tebas. Não importa se terá que sujar as mãos e entrar em guerra contra Atenas.

Infelizmente, os últimos dias do antigo soberano de Tebas não serão fáceis e Édipo terá de lutar para poder descansar em paz, longe dos inimigos.

É razoável termos medo de ler uma obra tão antiga, mas em que pese ter sido encenada em 401 a.C, ela não é de difícil compreensão. Pelo contrário, a narrativa é fluída e o tradutor não usa termos rebuscados. Outrossim, as notas auxiliam quem não sabe muito sobre a cultura grega. É uma verdadeira delícia.

Se for teu desejo, já posso alardear triunfo, mas sem ti não sei se sobreviverei à luta.

Posição 3951

Sófocles foi um célebre dramaturgo e poeta que produziu cerca de 120 peças. Costumava participar de concursos em Atenas. Infelizmente da sua extensa obra, apenas sete tragédias completas restaram: Ájax, Édipo rei, Édipo em Colono, Antígona, Electra, As Traquinias e Filoctetes.

Sem dúvida a melhor tradução é a de Mário Gama Kury, por ser a mais acessível no meu ponto de vista. A leitura é bem tranquila, pois a edição é rica em notas que ajudam na compreensão de alguns termos. Vale a pena sair da zona de conforto e conhecer essa obra-prima do autor.

ÉDIPO EM COLONO

Autor: Sófocles

Tradução: Mário da Gama Kury

Editora: Zahar

Ano de publicação: 1990

Verdadeira antologia das principais obras que nos ficaram de Ésquilo, Sófocles e Eurípides, os volumes de A Tragédia Grega são traduzidos diretamente do original pelo eminente helenista Mário da Gama Kury. O primeiro volume da série apresenta A trilogia tebana, considerada há quase dois milênios e meio uma das mais belas e importantes obras da cultura universal. Todo o teatro que se fez até hoje no Ocidente tem suas raízes mais profundas na obra de Sófocles, que inovou a tragédia grega ao deslocar o motivo das ações para a vontade humana e não mais para as maquinações divinas. Esse livro reúne três peças do autor grego que compôs mais de 100 dramas, dos quais apenas sete tragédias completas chegaram até nosso tempo. “Édipo rei, Édipo em Colono e Antígona estão íntegras na representação verbal de Mário da Gama Kury, perfeitamente representáveis para o espectador atordoado pela cultura de massa, e, definitivamente, reflexionada por elaboração verbal impecável.” Jornal do Brasil.

Relacionados

Destaques

Insta
gram

Parceiros